Como garantir presença nos seus eventos – um viés científico

OK, sua empresa decide realizar um evento físico para apresentar a nova versão do produto, ou estar mais próximo de um mercado distante, ou promover um ciclo de palestras ou… Tanto faz.

A primeira dúvida

A primeira e eterna dúvida é: vale a pena fazer on-line (webmeeting) ou, como nos velhos tempos, em um hotel com todas as despesas envolvidas (transporte, água mineral, café, etc.)?

Bem, acho que ainda vale a pena um evento físico (não estou falando de treinamento, se ligue).

Há oportunidades de:

  • Realizar networking e conhecer o “conhecido” do conhecido que pode se transformar em ótimo prospect.
  • Conversar assuntos que raramente alguém colocaria no papel, e-mail ou WhatsApp.
  • Olhar e sentir a opinião do público ou do receptor da mensagem através de suas caretas, expressões corporais, desinteresse, tédio e assim por diante.

Do dilema

Então vem o dilema que promove combates de dragões e derruba diretores: cobrar ou não pelo evento?

Se você cobra, afasta uma montanha de gente que teria interesse em comparecer. Se faz de graça, qualquer um que não apareça já é prejuízo.

Exemplifico:

Há priscas eras, eu desenvolvia uma ferramenta de Help Desk chamada Fireman (líder de mercado na época em que me dedicava, diga-se de passagem). Tínhamos o Fireman Road Show que circulava pelas capitais durante o período da manhã e quando apresentávamos suas características e benefícios.

Nada cobrávamos. Inscreviam-se 100 pessoas. E era certo que teríamos 50% de no-show (não comparecimento). Mas se chovesse…

O índice piorava para 75%, comparecendo, quando muito, 25 pessoas. E nós lá com 50 coffee-breaks pagos, 50 unidades de pastas, material, canetas, etc. Fora as despesas, ainda era preciso contabilizar o incômodo do transporte, organização de cadeiras e isso ia longe.

Então mudamos.

Criamos o Help Desk Day, um dia inteiro falando sobre Help Desk e, ao final, 30 minutos de apresentação do Fireman. Era como um “curso”: cobrávamos R$ 30,00 por pessoa.

E o não comparecimento reduziu para quase 0%.

ZERO %!!!!

E a quantidade de contratos subiu pra caramba: durante o curso inteiro só explicávamos funcionalidades que o Fireman supria; hehe, ninguém quer dar tiro no pé.

Da ciência

Eu não sabia, mas a Economia Comportamental (uma derivação da Psicologia Social e que envolve dinheiro e tomada de decisões) já analisara o assunto.

Embolando diferentes conceitos, desde Aversão a Perdas até Contabilidade Mental, a concepção pode ser examinada na seguinte experiência:

Situação 1: A pessoa vai ao cinema, compra seu ingresso por R$ 40, sai para comprar uns bombons e, opa, se dá conta que perdeu o ingresso. Ela compra novamente o ingresso?

Situação 2: A pessoa vai ao cinema, compra uns bombons e na hora de comprar o ingresso por R$ 40 se dá conta que, opa, perdeu o dinheiro. Ela compra o ingresso?

Well, well, well, my friends.

Estamos falando de um mesmo valor que precisará ser novamente “desembolsado”: R$ 40.

O mesmíssimo.

Porém, muito mais gente desiste de comprar o ingresso na Situação 1, enquanto quase todo mundo compra o ingresso na Situação 2.

Por quê?

Por que no primeiro exemplo, aqueles R$ 40 já foram contabilizados na conta “lazer” e no segundo caso a grana vem do “orçamento geral”.

O ser humano trabalha com “jarros” virtuais (imagine um monte de jarros sobre o balcão, onde um armazena o dinheiro do “lazer”, outro da “gasolina”, etc. e tal). E se o jarro do “lazer” está vazio, já era!

Curiosamente, estes tipos de experimentos vêm gradativamente derrotando o Homo Economicus: o sujeito que toma decisões baseado única e exclusivamente no aspecto racional.

São mais R$ 40 tanto numa, quanto outra situação. Compro ou não?? Ambos os momentos deveriam apresentar o mesmo resultado, mas não. As coisas acontecem bem diferentes numa e noutra situação.

Ah, oh, nem falei de “Aversão a Perdas” que fica pra outra situação. É o caso do indivíduo que comprou um ingresso para o jogo de futebol e que, mesmo caindo um temporal daqueles que alagam duas São Paulos, ainda assim enfrenta o trânsito horroroso, a chance de afundar no primeiro bueiro, o estacionamento cheio de lama, o assento molhado – parece que foi algo assim no show de Elton John e James Taylor na Allianz Parque do Palmeiras –, mas não perde o dinheiro investido).

E pro suporte, Cohen?

Vá… Pense um pouco!

Seja criativo, quer que mastigue tudo?!

Aliás…

Se possível, use cartões de crédito para pagamentos.

Eles transformam a experiência de pagamento (sacar a carteira, separar os pila, entregá-los, esperar o troco): reduzem a sensação e com isso a contabilização mental fica mais vaga e esse dinheiro sai do orçamento geral.

Quer ver um exemplo? Conhece a imagem abaixo?

É o “Compre com 1-clique” da Amazon.

Nem informamos mais o cartão de crédito (ele já está armazenado lá com eles). Ou seja, é muito, muito fácil comprar. E quando isso acontece, certos descontroles podem acontecer…

Ah, oh, epa!

Vamos tomar vergonha.

Já estamos quase no meio do ano e você ainda se lamentando da crise. Ela demora e nem por isso o mundo para. Então dê um jeito de se aperfeiçoar e trazer melhores resultados para o seu centro de suporte técnico e sua empresa.

Vejo vocês nos meus cursos abertos:

São Paulo, Ribeirão Preto, Curitiba e Recife!

www.4hd.com.br/calendario

Depois não venham me chorar las pitangas que nunca vou ao interior de São Paulo, tampouco ao Nordeste!

Abrazon

EL Cohen

PS:

  • São Paulo é 11-12-13 de maio
  • Ribeirão 19 de maio
  • Curitiba 02 de junho
  • Recife 27 de julho
Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.