SAS lança iniciativa para empoderar mulheres

Empresa realiza encontro com 300 lideranças femininas para debater cenário

A luta das mulheres por seus direitos e condições iguais no mercado de trabalho é árdua e incessante. Na última semana, no Dia Internacional da Mulher, o IT Forum 365 trouxe algumas histórias de lideranças femininas na área de Tecnologia da Informação (TI). Para ampliar esse tipo de discussão, o SAS reuniu na última quarta-feira (15/03), em São Paulo (SP), cerca de 300 mulheres – a maioria com cargos de liderança em empresas de tecnologia e marketing – para debater temas e desafios do público feminino do cotidiano, além de traçar estratégias para continuar avançando no debate da igualdade de gênero.

O Women Empowerment Day, primeiro evento de uma série global que a companhia está preparando, faz parte do programa “SAS D&WL” (Diversity and Women Leadership), fórum recém-criado pelo SAS que reunirá lideranças para focar em diversidade, responsabilidade social e empoderamento de mulheres.

Kleber Wedemann, líder da área de marketing e comunicação do SAS na América Latina, explica que o conselho se reunirá trimestralmente e sairá com ações estratégicas para apoiar ONGs – além do foco em liderança feminina. “A partir das soluções de anaytics do SAS, somos capazes de prever problemas da sociedade, como enchentes e padrão de doenças. Isso traz grandes contribuições com impactos sociais”, destaca Wedemann, um dos integrantes do grupo, que conta também com participação de Ednalva Vasconcelos, diretora financeira do SAS; Flavia Spinelli, vice presidente da Mcgarrybowen; e Lyzbeth Cronembold, diretora de operações e tecnologia do Grupo Bandeirantes. No total serão de 8 a 10 participantes e os outros nomes ainda não foram divulgados.

Evento
O encontro, realizado no cinema de um shopping em São Paulo (SP), trouxe à tona a luta das mulheres para se estabelecerem no mercado de trabalho. Um motivo dessa busca por espaço está no relatório do Fórum Econômico Mundial, que mostra que a igualdade de gêneros só será possível em 2095 e que a disparidade, quando se trata de participação econômica e oportunidades para as mulheres, gira em torno de 60%. O Brasil, por sua vez, está em 124º lugar, entre 142 países, no ranking de igualdade de salários – penúltima colocação nas Américas, ficando à frente apenas do Chile.

Os dados mostram que há um grande caminho a ser percorrido, mas, por outro lado, boas iniciativas já começaram. Segundo Wedemann, no SAS, por exemplo, 50% dos cargos de diretoria são ocupados por mulheres, o que acaba naturalmente impulsionando a contratação de colaboradoras em todas as áreas.

Monica Tyszler, diretora de soluções e serviços do SAS, é uma dessas líderes. Durante participação no evento, a executiva destacou um ponto essencial para conciliar a vida profissional com todas as atividades pessoais, sobretudo quando envolvem filhos. “Procuro sempre me policiar para ter horários para ficar com meus filhos e para o trabalho”, comentou.

Monica conta que, para isso, definiu às 19h como seu horário diário de deixar o trabalho para passar tempo com seus filhos. “É o tempo que tenho todos os dias para estar com eles e dar atenção”, conta a executiva, que atribui essa flexibilidade às políticas da empresa. “Minha empresa permite essa conciliação, que me faz uma pessoa mais feliz e me faz conseguir dedicar melhor ao trabalho”, complementou.

O fato é que setor de tecnologia historicamente é dominado por homens. Mas, assim como Monica, há excelentes exemplos de lideranças femininas no mercado – o que é extremamente positivo para o setor. Outros casos que encorajam e inspiram são os de Lyzbeth Cronembold (citada acima) e Regina Pistelli, diretora executiva da T-Systems, que também participaram de uma discussão durante o evento.

Regina, que está há 40 anos no setor de TI, conta que foi por muito tempo a única mulher em suas equipes e grupos de estudos. Por isso, o preconceito começou desde o início da carreira, mas ela conta algumas estratégias para superar: foco, resiliência e persistência. “Eu sempre foco nos problemas e no meu objetivo. O preconceito não é algo como faturamento, produção ou projeto (objetivos de negócios). São pessoas. E acho que não devemos enfrentar pessoas, mas sim aceitar e contornar. São como pedras e árvores. Você contorna e segue o caminho. Sempre encarei dessa forma: se não faz parte do meu objetivo final, eu contorno”, afirma.

Já Lyzbeth compartilhou um aprendizado de homens que deve ser incorporado no mundo feminino. A “descoberta” foi em uma viagem corporativa com um grupo de executivos para a Coreia do Sul, em que ela era a única mulher. “Descobri que homens têm uma característica legal que as mulheres precisam desenvolver. Eles criam networking e se expressam de maneira melhor. Descobri na viagem que os papos era mais leves e para tudo eles encontravam ponto de conexão”, comenta.

Em suma, foi unânime durante as discussões do evento a conclusão que as barreiras entre gêneros ainda existem e que as mulheres ainda lutam para ganhar cada vez mais espaço no mercado de trabalho. Mas só conseguirão vencer essas barreiras de uma forma: juntas.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.