T-Systems acena com nuvens flexíveis para ampliar mercado

TPC atenderá demandas no modelo self-service, sob medida para Brasil

O comportamento do mercado dita as regras da estratégia, mas é preciso conhecê-lo. É o que foi buscar a T-Systems por meio de pesquisa contratada à consultoria IDC, com 200 grandes empresas presentes em solo nacional, entre clientes e prospects. O resultado contribuiu para uma tática mais assertiva, sob medida para o Brasil, para o posicionamento do Trusted Private Cloud (TPC) – a nova arma da companhia voltada a demandas por nuvens mais flexíveis e menos complexas, no modelo self-service.

Segundo Ideval Munhoz, presidente da T-Systems no Brasil (foto), em encontro hoje (10/05) com jornalistas do setor, a grande missão é expandir para grandes clientes do mercado local e ampliar a oferta para os que já estão na carteira, como Qualicorp e Kroton, que mantêm contratos de longa duração.

A expectativa é positiva, considerando que um dos resultados da pesquisa realizada pela IDC dimensionou muito bem o alvo que a T-Systems pretende atingir. Das duas centenas de empresas que participaram do levantamento, 85% ainda não optaram por outsourcing de TI, o que significa um grande filão a ser instigado e ativado.

O que é o TPC
É uma nuvem privada self-service. “Nesse modelo, o custo se torna muito mais atraente e não depende de data center externo. Não há latência porque os dados estão aqui no Brasil. Crescer em memória é extremamente simples. Além disso, o cliente pode contar com um gestor de conta e uma rede segura, em que os integrantes seguem políticas de segurança (desenho batizado de Vizinhança Segura), o que fortalece a cadeia na qual está inserido”, explica Guilherme Barreiro, líder de Operações de Infraestrutura de TI da T-Systems.

Ele acrescenta que o usuário do TPC tem acesso a um portal de autosserviço, que possibilita de maneira simples, comprar CPUs, memória em disco, entre outros recursos. “Essa operação poderá ser realizada pelo próprio cliente ou mesmo contar com a ajuda e orientação de um profissional da T-Systems”, destaca.

Ao que parece, o pulo do gato do TPC é que ele possibilita uma gama de serviços (própria de nuvens públicas) com toda a segurança da nuvem privada. E ainda a vantagem de que os sistemas do TPC estarão integrados aos já oferecidos pelo data center da companhia, com total interoperabilidade. “Tudo pode ser customizado, a segurança, tudo”, reforça.

Crescimento dos negócios
No ar desde março deste ano, o TPC promete trazer para a T-Systems potenciais clientes que buscam essa flexibilidade e também ampliar o pacote de serviços nos contratos existentes, acredita Munhoz. “Nem todos os clientes poderão contratar de imediato o TPC. Alguns terão de seguir uma linha evolutiva de soluções até chegar ao topo dessa nova modalidade”, explica Angelica Vitali, VP Delivery da T-Systems Brasil. A nuvem privada flexível da T-Systems conta ainda com um aplicativo (app), que coloca visibilidade imediata do status da nuvem contratada literalmente nas mãos do cliente, a qualquer hora ou lugar.

“Temos de garantir aos nossos clientes o funcionamento de operações críticas que não podem parar. E ainda como manter o seu legado e migrar para o digital”, destaca Munhoz, acrescentando que a SAP é a principal plataforma da companhia em soluções end to end. “A conexão com a SAP é muito maior por sermos também uma empresa alemã”, desafia.

As empresas ainda precisam de ajuda para irem para a cloud, reforça o executivo. Para isso, a companhia fatiou suas ofertas da seguinte forma: Plataforma como serviço (PaaS), que nomearam como “cloud gourmet”; software como serviço (SaaS), a “cloud vip”; e infraestrutura como serviço (IaaS), credenciada como “cloud self-service”. Ícones conhecidos no cardápio de serviços oferecidos no mercado, mas que a T-Systems garante que abrigam  formas diferenciadas de consumo. E uma outra especial, a Multi-Cloud Management, em que o cliente pode implementar nuvens distintas e gerenciar, com a ajuda da fornecedora, diferentes serviços, até mesmo os dos concorrentes.

O foco de atuação da empresa está hoje nos setores automotivo, manufatura, finanças, varejo, saúde, energia, serviços e telco e a empresa anuncia também estar de olho na área de educação. Exibindo mais de 25% de crescimento desde 2014, segundo Munhoz, a T-Systems revela ainda que essas funcionalidades do TPC são apenas o começo. Já trabalham em mais novidades em sua nuvem privada flexível para este ano ainda.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.