Fabricação local leva Skylane Optics crescer 32%

Produção somou US$ 2 milhões no Brasil em 2016 e meta é dobrar em 2017

A fabricação local é uma estratégia sob medida para empresas que desejam praticar preços ainda mais competitivos, sem abrir mão da qualidade. A belga Skylane Optics, atuante no setor de fibra óptica, apostou nesse desenho e cresceu 32% em 2016, totalizando US$ 2 milhões de faturamento. Meta é dobrar em 2017.

O pulo do gato nesse setor concorrido é que a fábrica, localizada em Campinas (SP), e inaugurada em 2014, tornou a Skylane Optics, presente há quatro anos em solo nacional, a única empresa no setor com produção local na América Latina. Ela fabrica transceptores para comunicação óptica. “São eles que dão vida à fibra. Sem os transceptores, a fibra fica apagada”, sintetiza Rudinei Santos Carapinheiro, diretor para Desenvolvimento de Negócios para Brasil, América Latina e Caribe da Skylane Optics.

Os equipamentos, portanto, saem de Campinas para integrar projetos de redes de fibra óptica até 70% mais baratos. E, no Brasil, já iluminam redes de clientes como Algar Telecom, Aloo Telecom, CCR, Cemig e Vivo.
“Com essa estratégia, conseguimos nos manter bastante competitivos e registrar crescimento de 32% em 2016. Nossa estimativa é manter a marca nesse patamar em 2017”, diz o executivo. E destaca: “O mercado de transceptores no Brasil é de cerca de US$ 40 milhões. Em 2016, fomos responsáveis por 5% dessa movimentação, ou seja, US$ 2 milhões. Nossa previsão é subir para 10% de participação, atingindo faturamento de US$ 4 milhões”.

Carapinheiro acrescenta que, com a fabricação no País, as entregas acontecem em até 24h em qualquer lugar do Brasil. “E com a vantagem de suporte técnico para a solução de eventuais dificuldades dos clientes muito rapidamente”, garante.

Economista de formação, o executivo entende que o momento de turbulência econômica, não somente no País, mas no mundo todo, fortalece ainda mais a atuação da empresa. “Hoje, temos de construir e apresentar uma solução ao cliente que proporcione além de uma evolução tecnológica para o negócio, também a possibilidade de se encaixar em um cenário de redução de orçamentos e investimentos enxutos. Estamos prontos para isso”, alerta.

Um outro fator importante destacado pelo executivo, que contribuiu para um faturamento mais robusto em 2016, foi o aquecimento do mercado com a chegada da tecnologia 5G. “Isso aumentou significativamente a demanda de equipamentos para infraestrutura de fibra óptica, considerando as atuais exigências da era digital para velocidades cada vez mais desafiadoras de aplicações, em redes confiáveis.”

Sediada na Bélgica, a Skylane, que mantém escritórios, além do Brasil, em Luxemburgo e Suécia, está na mira do crescimento das aplicações em Internet das Coisas (IoT). “Percebemos uma grande movimentação na construção de condomínios inteligentes, o que significa um grande filão para nossa operação no País.”

Mas não só de grandes projetos vive a Skylane Optics. O maior mercado da empresa mora no universo de pequenos e médios provedores de internet no interior do continente brasileiro. “Eles estão investindo muito em projetos de fibra óptica .Temos clientes em nossa carteira com redes que vão de mil a 30 mil usuários, espalhados por todo o território nacional, que inclui Amazônia, Pará e Roraima. É muito satisfatório esse desenho geográfico.”

Seu principal concorrente? “O contrabando”, responde. “Mas em se tratando de equipamentos ‘genéricos’, que não possuem a menor garantia, em algum momento vão causar danos muito custosos na rede. E estamos aqui para resolver”, finaliza o executivo para quem o ano de 2017 promete muitos outros avanços na atuação da empresa.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.