Faturamento do setor de distribuição de TI no Brasil cai 9% em 2016

Por outro lado, Abradisti aponta expectativa de alta de 7% neste ano

O faturamento do setor de distribuição de TI registrou queda de 9% em 2016, com R$ 10,5 bilhões de vendas, frente a R$ 11,5 bilhões em 2015 – terceiro ano seguido da área em baixa. Os números são da Pesquisa Setorial sobre o Mercado de Distribuição de TI no Brasil, divulgada pela Associação Brasileira dos Distribuidores de Tecnologia da Informação (Abradisti), encomendada junto ao IT Data.

Por outro lado, o estudo aponta que a expectativa para este ano é de retomada do crescimento, com alta de 7% e faturamento estimado em R$ 11,2 bilhões, impulsionado a partir do aumento da oferta de serviços em seus portfólios e variedades de produtos. Além disso, a Abradisti aponta a recuperação da economia nacional, que tem dado sinais de melhora nos últimos meses. Juntas, essas condições ajudam a explicar as projeções de retomada do setor de distribuição para este ano.

Segundo Mariano Gordinho, diretor-executivo da Associação, o cenário visto nos últimos anos tem sido provocado, principalmente, pela variação do câmbio e a oscilação política do país. Outro fator que contribuiu negativamente foi o avanço das vendas ilegais, quando as revendas passam a buscar fontes paralelas de distribuição. “Vale dizer, no entanto, que esse resultado poderia ser pior, não fosse a estabilização do dólar na última parte do ano passado”, ressalva o executivo.

Categorias em análise
Além das condições econômicas, algumas categorias de produtos também impactaram diretamente para esse resultado em queda. Nesse cenário, destaque negativo para o comércio de PCs e Notebooks, que teve retração de 28% no último ano – embora a expectativa seja de que esse ramo fique estável em 2017. Junto a isso, a venda de Componentes, por exemplo, registrou perda de participação, caindo de 15 para 12,6% na movimentação geral do segmento.

Por outro lado, novas categorias ganharam destaque, sobretudo em relação aos produtos não relacionados diretamente à Tecnologia da Informação, como a venda de TVs, Telefonia e outros. Essa proposta de atuação aumentou significativamente seu impacto nas vendas da Distribuição, ampliando sua participação de 16,6% para aproximadamente 20,3%.

Vale ressaltar, ainda, o fortalecimento de áreas tecnológicas em expansão, com os serviços de computação em nuvem que, em 2015, representavam 0,1% das vendas e que fecharam o ano passado como responsável por 2% das oportunidades fechadas pelas distribuidoras.

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.