Dream team: colaboração pode blindar ciberataques

Em evento da RSA, Microsoft e McAfee falam sobre necessidade de alianças

Com o ataque de hackers da Coreia do Norte ao sistemas da Sony, em 2014, o mundo passou por uma mudança no status dos crimes virtuais. Os cibercriminosos deixaram de mirar exclusivamente pessoas e empresas para atacar governos. O espaço virtual virou o novo campo de batalha, sentenciou Brad Smith, presidente e Chief Legal Officer (CLO) da Microsoft. E o setor de TI está na linha de frente. Como lidar?

A resposta não é tão simples quanto parece. Mas Smith apontou três pontos a serem considerados, sendo a colaboração da indústria chave nesse processo.

1. Todo mundo tem de fazer mais
Smith disse que, na Microsoft, a empresa criou três grupos para lidar com ameaças. Além disso, a fabricante para responder aos novos crimes tem incrementado seus produtos, como o Office 365, que ganhou um sistema para mostrar movimentações maliciosas. “Estamos longe da vitória, mas como indústria, temos de fazer mais”, refletiu.

2. Encarar a verdade
O cenário cibernético atual é uma oportunidade para o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sentar com o presidente da Rússia e endereçar os ataques que preocupam o mundo, observou o executivo. “Mais do que isso. Precisamos que o governo se alinhe com o setor privado em prol da segurança cibernética.” Segundo ele, o que o mundo precisa agora é da criação de uma agência internacional independente de cibersegurança para unir, ainda, a academia, não somente para observar o que acontece, mas para identificar atacantes.

3. Agir coletivamente
O presidente da Microsoft falou também da necessidade de se manter um acordo global e uma indústria global de cibersegurança, que seja 100% defensiva e 0% ofensiva. “Vamos proteger nossos clientes mundialmente, onde quer que eles estejam.”

Todos juntos
Smith reforçou por diversas vezes em sua fala a necessidade de se manter um trabalho conjunto, como o qual está sendo desenvolvido pelo Google, Facebook e Microsoft para alertar usuários sobre espionagem por parte do governo.

Niloofar Howe, vice-presidente sonior e & chief strategy officer global da RSA, aponta que há uma necessidade latente por colaboração e os muitos casos conhecidos de ataques no último ano provam isso. “Queremos juntar todos na conversa e precisamos fazer isso rapidamente. Todos estão falando de internet das coisas (IoT, na sigla em em inglês) e não temos cinco anos para esperar”, sentenciou. Para ela, o mundo vai passar por diferentes ondas de colaboração.

Christopher Young, vice-presidente sênior e gerente-geral da McAfee, da Intel, engrossou o coro sobre colaboração. “Não podemos fazer isso sozinhos. Temos de trabalhar juntos, como indústria. Sei que, muitas vezes, é fácil falar, mas precisamos disso. Devemos focar no objetivo maior”, alertou.

A abordagem colaborativa faz da indústria algo como o dream team do mercado de segurança. “Todo mundo tem seu papel para conquistar o objetivo”, comentou. Citando exemplos que se concretizaram nesse linha, Young ressaltou o Open DXL, que permite compartilhar códigos com a comunidade de soluções de segurança e prover tecnologias escaláveis e globais.

Além disso, há o nomoreransom.org, organização sem fins lucrativos que ajuda vítimas do ransomware, o malware sequestrador, a não pagar um centavo sequer aos cibercriminosos e ainda recuperar os dados. “Anunciamos, ainda, a Cyber Threat Alliance, que reúne empresas do setor como Check Point, Cisco, Fortinet, Intel Security e Symantec, que buscam blindar cibercriminosos”, completou. “Juntos, somos mais inteligentes e rápidos, tornando o mundo mais seguro.”

*A jornalista viajou a San Francisco (EUA) a convite da RSA

Comentários
As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicados refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nessa publicação.

Notícias Relacionadas

Copyright 2017 IT Mídia. Todos os direitos reservados.
É proibida qualquer forma de reutilização, distribuição, reprodução ou publicação parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização da IT Mídia.