Oi! Escolha uma opção para entrar

Nunca postaremos nas suas redes sociais

Se preferir, entre com seu e-mail

Esqueceu sua senha?
Não tem conta? cadastre-se grátis

Preencha o formulário abaixo para finalizar seu cadastro:

Como a Computação em Nuvem impacta o setor de Distribuição de TI

De que forma sua empresa pode aproveitar os novos conceitos de computação em nuvem para atrair e gerenciar negócios na distribuição

Você já ouviu falar que o papel das empresas de distribuição de tecnologia não é mais o de mover caixas. De fato, isso é realmente verdade. E é importante dizer que um dos grandes motivadores para esse cenário é a Computação em Nuvem.

Consolidada como a primeira das grandes ofertas da Era de Serviços, a Computação em Nuvem impacta a Distribuição de Tecnologia de diversas formas. A principal delas é a migração das vendas de produtos físicos para a venda de soluções virtuais, por assinatura.

E isso abre espaço para um ponto que merece atenção: “Se a distribuidoras não têm mais caixa para receber e enviar, o que será, então, do futuro da distribuição?”

Ainda estamos longe de chegar ao ponto final dessa resposta, mas, ao contrário do que muitos imaginavam, a Computação em Nuvem não significa o fim da linha para os distribuidores.

Uma das razões para isso é o fato de que a Cloud Computing trouxe à tona outra forma de negócio, com a venda consultiva. Hoje, mais importante do que investir em prateleiras é estar atento ao que seus clientes procuram, com um portfólio mais diversificado, e com a proposta de vendas por diferentes canais.

Distribuidores: um novo olhar para o consumo

A venda consultiva reforçou a responsabilidade do vendedor em entregar uma solução assertiva para o problema do cliente. E isso, por sua vez, quer dizer que a forma de relacionamento que os distribuidores precisam ter com seu público também mudou. Assim como uma revenda ou fabricante, as distribuidoras precisam procurar e oferecer serviços e produtos de forma mais próxima de seu consumidor, sejam eles os usuários de tecnologias, revendas, integradoras ou fabricantes.

Além de ser o elo entre as diferentes pontas do mercado de TI, o distribuidor também deve resolver, dentro de seu dia a dia, questões de entrega, como customização, valor agregado e especialização em negócios.

Para cumprir esse papel, as empresas e gestores podem contar com novos aliados para desenvolver suas habilidades de gestão e análise. Um destes aliados, aliás, é a própria Computação em Nuvem.

De que forma as distribuidoras podem usar a Computação em Nuvem?

A Nuvem não é essencial para as distribuidoras apenas como um item à venda. Na verdade, essas soluções podem representar vantagens estratégicas para o próprio dia a dia do distribuidor.

Os recursos de Cloud podem, por exemplo, aumentar a agilidade de processamento das informações para os times de venda de uma distribuidora e melhorar o gerenciamento dos processos internos.

Aliás, é importante dizer que outros conceitos tecnológicos baseados em Serviços e na inteligência de dados também têm seu papel nesse contexto. Em destaque, podemos olhar para o Big Data, Analytics e Hiperconvergência para o gerenciamento de dados e insights de negócios.

Porque aplicar a inovação no dia a dia da distribuição?

Assim como a forma de vender mudou bastante desde a época das caixinhas, a demanda administrativa e de negócios das companhias de distribuição também deve evoluir. Por isso, é preciso estar alerta às demandas para construir este novo caminho. Por exemplo, inserir Soluções em Nuvem e de Analytics são pontos essenciais para agregar competitividade, rapidez e eficiência à cadeia distribuidora, ampliando a chance para automatizar e melhorar os processos da companhia.

Com essa evolução, a gestão do negócio pode ser mais segura, confiável e assertiva, entregando acesso ágil às informações e melhores formas para se avaliar e entender os resultados de vendas e as necessidades dos clientes.

A Nuvem, portanto, não é um risco e tampouco quer dizer o fim da cadeia de distribuição. Mas, parece ser cada vez mais importante saber usá-la, como um fator mandatório para o futuro de quem produz, distribui e vende tecnologia da informação.

Por Mariano Gordinho, diretor-executivo da Abradisti


Receba grátis as principais notícias do setor de TI

Newsletter por e-mail