Home > Gestão de Help e Service Desk

Em 2020 você será um gestor de suporte melhor

GATILHO é o livro que vai lhe ajudar a ser melhor sucedido com seu time

Roberto Cohen

15/01/2020 às 13h53

Foto:

Você pode saber tudo de métricas, processos etc., mas…

Se não souber se relacionar com sua equipe, todo esse conhecimento adiantará em nada.

Sério.

Seu time vai sabotá-lo, fazer corpo mole, falar pelas costas (ai, que horror!) e muitas dessas ações acontecerão de forma inconsciente (yep, existe o inconsciente coletivo).

Para amenizar tais dificuldades você precisa fazer um ajuste interno comportamental.

Pensando em você (e em mim) recomendo este livro que li em janeiro agora e cujo título é Gatilho.

O autor é o reconhecido coaching de executivos Marshall Goldsmith e que ajudou personalidades como o presidente mundial da Ford, o presidente do Banco Mundial e mais um monte de gente graúda.

Gatilhos, gatilhos, gatilhos

O autor pega uma carona no livro o Poder do hábito de Charles Duhigg e explica como os gatilhos trabalham sobre a gente.

Algo provoca uma ação e quando vemos, já fizemos a mancada. Vale aqui aquele ditado “Perco o amigo, mas não perco a piada”.

E depois do gesto realizado, nos arrependemos em seguida, mas… Normalmente já é tarde.

Ele cita que o ambiente nos comanda. Nos provoca. E que ficamos sujeito a ele quase 100% do tempo (exceto se você estiver dormindo).

Ilustro: leio um texto novo do Fernando Baldin nalguma mídia social.

Por vários anos fomos propositalmente rivais em debates públicos. O tempo passou, ele avançou por outros caminhos, mas eu fiquei preso naquele contexto.

Então quando vejo um texto dele na internet, não consigo me segurar e replico com algo contrário, mesmo que ele esteja certo. Isso é o gatilho e a consequência do mesmo.

O que Marshall sugere no seu livro é interpor um momento entre o impulso e o comportamento que seria o instante da “consciência”.

Aquele momento em que seguramos a onda. E no livro ele explica como fazer esse tipo de intervenção.

EDAFÊ

Quando temos consciência de um gatilho, vem a questão:

Eu estou disposto,
Desta vez,
A realizar o investimento exigido para
Fazer a diferença positiva sobre
Esse assunto?

Sabe o que é isso?

Chegou aquela mensagem no grupo de Whatsapp. Dá vontade de parar tudo e responder, mas…

Epa, opa!

Vale a pena? Vai fazer alguma diferença para o resto do mundo ou somente para o meu ego?

A oportunidade de parar e questionar faz com que você valide a situação e…

Quem sabe, volte ao trabalho e despreze aquela provocação. Torna-se mais produtivo e promove menos indignações.

Estrutura

Isso é quase um sinônimo de rotina. É um padrão de comportamento.

É não se deixar levar e ter um método de abordagem para as situações.

É, por exemplo, não tomar decisões importantes no final do dia quando está com esgotamento mental (ou ego depletion, vide Wikipedia).

É ter com quem conversar periodicamente (seu chefe o recebe sempre nos mesmos dias para um bate-papo a respeito do andamento do departamento?) e assim por diante.

Leia

Leia. Faça seu resumo.

Este ano eu não vou ceder aos meus impulsos em relação ao Baldin 😁

Não quero mais aceitar o dito popular “Perco o amigo, mas não perco a piada”.

Até porque se me deixo levar por esses gatilhos, muitos projetos atrasam em função disso.

Feliz ano novo, brothers and sisters.

Nos vemos por aí.

Abrazon

EL Cohen

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail