Home > Cultura maker: facilitando a inovação nas empresas

Qual é sua profissão? Maker!

Sempre sou questionado sobre como ganhar dinheiro, fazendo o que gosto, sendo um 'maker'

Mauricio Ramos

31/05/2019 às 13h10

Foto: Shutterstock

Sempre sou questionado sobre como ganhar dinheiro, fazendo o que gosto, sendo um 'maker'. A resposta não é fácil. Tenho muitos amigos e colegas, que estudam ou estudaram em faculdades, universidades. São 'makers' em busca de mais conhecimento, com ideias, muitas vezes revolucionárias, para melhorar produtos ou a vida das pessoas. Enxergam o mundo sobre outra perspectiva, vendo soluções onde os simples mortais veem problemas!

Muitos estão frustrados, pois suas ideias talvez nunca saiam do papel. Ideias que poderiam mudar nossas vidas, ou a forma de fazermos certas coisas em nosso dia a dia.

Já vi muita ideia simples fazer isso. Johan Vaaler inventou os clips para papel em 1899, mas no mesmo ano, William D. Middlebroo inventou a máquina para fazer clips e o modelo que é usado até hoje, com duas dobras. Johan de certa forma não viu seu invento "sair do papel", aqui um trocadilho até irônico. Estamos falando do fim do século XIX, onde não se tinha um intercambio de ideias e invenções, como temos hoje, com a "super comunicação". Imagine se, esses dois 'makers', que moravam um na Noruega e outro na Inglaterra, pudessem fazer parte de uma revolução, como a que temos hoje, com o movimento 'maker', com internet, tutoriais, feiras, workshops, oficinas e até programas na TV!

Inventores tem e sempre tiveram dificuldades para convencer investidores em suas ideias. Eles sempre criam ou aperfeiçoam o que já foi criado, como Charles Forster, americano, que em 1870 aperfeiçoou os palitos de dente, que já existiam a 29 mil anos, e fez com que sua cidade, Strong, ficasse conhecida como a capital mundial dos palitos de dentes.

Mas vamos responder à pergunta inicial, voltando as condições atuais que temos. Como já comentei em post anteriores, empresas cada vez mais tem que estar atualizadas e se reinventando em um mercado altamente competitivo. A mesma internet que ajuda a encontrarmos soluções, também pode mostrar o quando ficamos para traz, com o surgimento de novas soluções. Assim, empresas obsoletas deixam de existir pois, as pessoas percebem rapidamente que, o que elas produzem já está ultrapassado!

Nesse cenário surge um projeto do qual apoio e participo com minha empresa, o Work Valley, Distributed Innovation Network.

A ideia é, criar um ecossistema de inovação completo para conectar oportunidades e promover negócios. Inovações e soluções impactantes, seja com projetos sociais ou de economia compartilhada.

Por meio do uso de plataformas digitais descentralizadas e com os 'works hubs' na Suíça, Brasil, Canada, Portugal, Alemanha, Inglaterra, Rússia e China, 'Work Valley Network' irá conectar corporações, Fundos de Investimentos, startups, spin-off, pesquisadores e profissionais liberais de alta performance com o objetivo de promover a inovação e negócios.

Para se ter uma ideia melhor do quanto isso é inovador, toda as operações de contratação e pagamento de profissionais, serão feitas usando blockchain, ou seja, independente do país que o contratante ou o contratado estiver, todos receberão em uma mesma moeda, a criptomoeda, e os contratos serão avalizados por milhares de computadores no mundo!

Empresas ou corporações, poderão propor projetos, e nós, poderemos encontrar dentro de nosso ecossistema pessoas e equipamentos para realizá-lo!

Iniciativas como esta, estão surgindo em diversas cidades, espalhadas pelo mundo, mas este projeto é inédito em sua forma e grandeza.

Os 'makers' cada vez mais poderão contar com iniciativas como esta que, feitas por outros 'makers', preocupados com a disseminação do conhecimento e o aproveitamento das capacidades individuais, criam soluções que vão beneficiar milhares de inventores  que apenas querem viver fazendo o que gostam, inventar!

A resposta para nossa pergunta é, networking! Estar conectado com outros 'makers', participar de eventos da comunidade, procurar colaborar em projetos, mesmo que não se ganhe diretamente neles, são dicas para você criar um portfólio, e manter-se atualizado. Isso pode chamar a atenção de empresas que procuram soluções. Esse é o caminho que sigo, e recebo ofertas de projetos frequentemente.

Independente de ganhar dinheiro ou não, fazer o que gosta, é uma regra que não deve ser abandonada. Acredito que você nunca tenha visto alguém que não gosta do que faz ganhar dinheiro, mas todos que gostam muito do que fazem. Mais dia, menos dia ganharam dinheiro!

Então não perca tempo, participe!

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail