Home > Notícias

Como a geração Millennial pode ajudar a globalização 4.0

Preocupação com desigualdades e meio ambiente está em pauta

Redação

07/11/2018 às 10h22

Como a geração Millennial pode ajudar a globalização 4.0
Foto:

Conforme a revolução digital transforma as indústrias, e os desafios geopolíticos em curso se tornam mais complexos, que o mundo espera por alguma "faísca" inevitável para incitar a maior onda de integração global desde a queda do muro de Berlim.

A "globalização 4.0" poderia, como as ondas precedentes da globalização, ter resultados mistos: crescimento econômico e redução da pobreza, por um lado, e crises políticas e maior desigualdade de renda, por outro. Hoje, os resultados de uma integração global adicional são particularmente incertos.

As divisões políticas estão em alta de todos os tempos. A ameaça do terrorismo global continua. Instituições que unem países podem estar desmoronando. Para a geração do Millennial, as oportunidades econômicas são incertas. Os jovens acreditam que talvez não tenham as habilidades necessárias para os empregos do futuro.

De acordo com uma pesquisa de 2017 da Comunidade Global Shapers, 51% das pessoas com menos de 30 anos acreditam que "o acesso igual a oportunidades para todos" é a coisa mais importante para uma sociedade livre - até mais do que a segurança no emprego.

A última onda de globalização na década de 1990 tirou alguns países da pobreza, observa Julia Luscombe, do World Economic Forum (Fórum Econômico Mundial). No entanto, a desigualdade de renda está aumentando nesses países e em grandes economias.

Outros países com mão de obra barata estão antecipando os benefícios da próxima onda de globalização, mas existe o risco de estabelecer uma base que impulsione a desigualdade por gerações. Uma Globalização 4.0 de sucesso é um crescimento inclusivo e equitativo entre e dentro dos países.

Isso pode parecer uma tarefa difícil. Mas aqui estão algumas prioridades práticas nas quais podemos nos concentrar hoje para nos prepararmos para o amanhã:

1. Investir no fortalecimento das economias locais e regionais

Maior integração global não significa que apenas as cidades globais se beneficiam. É preciso construir pró-ativamente sistemas locais e regionais resilientes que possam participar da próxima onda de globalização, garantindo que as regiões tenham a combinação certa de educação, emprego e infraestrutura para criar e manter empregos localmente. O Programa de Trabalho Decente, de Gana é um exemplo de uma abordagem baseada em locais que aumentou o emprego e o crescimento.

2. Inovar instituições educacionais e fechar agressivamente a lacuna de habilidades

Em 2022, pelo menos 54% dos funcionários em todo o mundo precisarão de mais e mais habilidades. Não é preciso somente apoiar as pessoas na obtenção do treinamento de que precisam para empregos nos próximos cinco anos, mas também preparar jovens estudantes com as habilidades necessárias para se adaptarem aos tipos de trabalho que precisaremos nos próximos 20 anos. A Nova Zelândia está implementando um currículo nacional de tecnologia para ensinar os alunos a serem criadores de conteúdo digital e também consumidores.

3. Concentrar-se nas populações mais vulneráveis

Os efeitos negativos da globalização terão um impacto desproporcional em algumas populações. Instituições globais e locais precisam promover estratégias universais e direcionadas para melhorar os resultados para todos. Na Feeding America, são fornecidos alimentos nutritivos de caridade nos Estados Unidos, ao mesmo tempo em que programas focados na remoção de barreiras de acesso a alimentos para populações com taxas particularmente altas de insegurança alimentar são implementados.

4. Parar a mudança climática

A mudança climática não foi tão iminente durante as ondas precedentes da globalização, mas terá um impacto desproporcional em regiões e populações vulneráveis. Os desafios da globalização 4.0 serão agravados se os recursos que poderiam ser destinados ao fortalecimento das economias locais e da educação tiverem que ser desviados para mitigar os custos da mudança climática. Quase 50% das pessoas com menos de 30 anos acreditam que a mudança climática é a questão global mais urgente.

5. Construir um movimento focado em equidade

O avanço das prioridades acima e a criação de maior equidade exigirão um movimento global mais coordenado do que existe hoje. Muitas empresas, ONGs, grupos de defesa, acadêmicos e até indivíduos têm alcance global sem precedentes e capacidade de influenciar resultados equitativos. A geração do milênio provavelmente recompensará as empresas que participam desse movimento, preferindo trabalhar e comprar de empresas que estão gerando bem social.

Os países que não atuam nessas prioridades correm o risco de perder a próxima onda de globalização. A geração do milênio está pronta para liderar a cobrança pelo crescimento equidade. A iminente "faísca" que incendeia a Globalização 4.0 será o momento decisivo de nossa geração.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail