Home > Notícias

Eleições e recrutamento de talentos em TI: qual a relação?

Diretor-geral da Robert Half, Fernando Mantovani, fez um paralelo entre os temas. Confira

Redação

16/09/2018 às 11h34

Eleições e recrutamento de talentos em TI qual a relação
Foto:

Em algumas semanas, os brasileiros irão às urnas para escolher os próximos governantes. Pensando na temática, o diretor-geral da Robert Half, Fernando Mantovani, fez um paralelo com o processo de recrutamento e as Eleições. Ele, então, separou quatro pontos em comum. Confira.

1) Resultados comprovados

Em um processo de seleção, buscamos extrair dos candidatos quais foram as contribuições reais para a empresa durante a ocupação dos cargos anteriores. Ou seja, é importante que o profissional saiba traduzir o seu papel nas funções em que desempenhou, por meio de ações concretas e resultados efetivos.

2) Capacidade de Comunicação

A competência comportamental tem ganho especial relevância nos processos de recrutamento. Os profissionais são cada vez mais demandados a interagirem com outras áreas da organização e pares de diferentes níveis hierárquicos, uma vez que as estruturas tendem a ser horizontalizadas. No espectro político, essa habilidade é vital, pensando nos diálogos com diferentes públicos e em situações.

3) Resiliência/trabalhar sob pressão

As empresas têm a necessidade constante de reduzir custos e aumentar a produtividade, ou seja, colocar em prática o famoso “mais com menos”. Para sobreviver a este cenário, é importante que o profissional tenha capacidade de manter o equilíbrio emocional mesmo e principalmente em situações de pressão e adversidades. Qualquer semelhança com a realidade da gestão pública, não é mera coincidência.

4) Checagem de referências

Quando avaliamos um candidato para uma organização, passamos pela etapa de tomada de referência, que consiste em entrar em contato com ex-gestores, colegas e subordinados para validar o perfil do profissional e conferir se o que foi dito na sala de entrevista reflete o dia a dia da pessoa. No mundo da política, essa etapa pode ser feita também, analisando as informações disponíveis, sites de fast checking que apuram se uma informação dita corresponde à realidade.

Antes de investir o seu voto em um candidato, faça o exercício de se colocar na cadeira do recrutador, afinal, é o dinheiro dos seus impostos que irá remunerá-lo. E, todos sabemos os riscos e prejuízos de uma contratação equivocada.

Se no mundo corporativo, de acordo com pesquisa da Robert Half, 75% dos diretores já eliminaram um candidato por mentiras no currículo, as inconsistências no discurso dos candidatos também devem ser um ponto de atenção.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail