Oi! Escolha uma opção para entrar

Nunca postaremos nas suas redes sociais

Se preferir, entre com seu e-mail

Esqueceu sua senha?
Não tem conta? cadastre-se grátis

Preencha o formulário abaixo para finalizar seu cadastro:


Pessoas ainda são barreira para inovação

Por Redação

em Estratégia

4 semanas atrás

Líderes precisam entender porque evolução não acontece, indica consultoria Forrester

Quase metade das empresas prioriza a inovação como chave para sua estratégia de negócios. Não é difícil pensar o motivo: mudanças exponenciais como a lei de Moore no passado e a lei de Metcalfe hoje estão acelerando o ritmo dos negócios. Em um estudo recente feito pela Forrester com 26 tomadores de decisões de tecnologia sênior, 100% disseram que o ritmo dos negócios é mais rápido hoje do que há cinco anos. E é essa pressão para manter o ritmo que leva as empresas a valorizar a inovação, criar equipes de inovação e fazer com que essas elas apliquem a tecnologia emergente.

Pela primeira vez, o investimento em tecnologia emergente substituiu a compreensão do cliente como a primeira coisa que as empresas querem fazer para serem mais inovadoras. Uma pessoa de uma empresa entrevistada disse: “A tecnologia emergente será essencial para o futuro dos nossos negócios. Sabemos que precisamos disso para sobreviver e competir”. Mas isso traz um desafio importante que você enfrentará ao aplicar a tecnologia emergente para inovar.

Inovação impulsionada pela tecnologia é um problema para as pessoas

O termo “inovação orientada por tecnologia” reflete a ideia de que, para muitas empresas avançadas, as capacidades tecnológicas, especialmente aquelas que são novas e emergentes, estão dominando a agenda de inovação. Embora possa parecer contra-intuitivo em princípio, o problema com a tecnologia emergente em inovação é fundamentalmente para as pessoas – não para a tecnologia.

O último relatório de James Staten, da Forrester, “Superar Barreiras Internas para Inovar com Sucesso”, mostra que a tecnologia só exacerba isso quando misturada à inovação porque se torna muito fácil culpar a tecnologia emergente em vez de se olhar e dizer: “Nós temos problemas com as pessoas”.

Barreiras internas

“Esses tipos de inovações líderes [disruptivas] podem ser difíceis para os funcionários adotarem, já que a maioria dos seres humanos teme mudanças, especialmente aquelas que atrapalham processos, metas e resultados existentes”, resume Staten.

Ele identifica cinco barreiras que, no fundo, são problemas de pessoas:

  • Cultura corporativa tática ou adversa ao risco. Por exemplo, o que manteve a Kodak sem evoluir foram os funcionários internos que viram a fotografia digital como algo negativo para seu negócio tradicional de fotografia, embora a mudança para o digital estivesse claramente chegando.
  • Medo de mudança. Os talentos têm interesse em manter as coisas como estão. A inovação não pode acontecer se os colaboradores resistirem às melhorias necessárias que permitam que a inovação floresça.
  • Impactos orçamentários do financiamento da inovação. O financiamento da inovação tem de vir de algum lugar, e é mais provável que seja o principal negócio. Quando um produto ou departamento operacional vê inovações tirando fundos do seu orçamento principal, seus funcionários de departamento provavelmente encararão a inovação negativamente.
  • Objetivos e métricas de negócios táticos. Investir em inovações impacta negativamente as métricas trimestrais de desempenho de produtos e serviços existentes da empresa, pois o orçamento e o engajamento das horas dos funcionários para as equipes de negócios principais são necessários para impulsionar a inovação. Como resultado, os líderes táticos de uma companhia que são orientados e compensados ​​com base em indicadores de desempenho de lucros e perdas podem resistir e até atrapalhar os esforços de inovação.
  • Medo de falhar. Financiar, avançar e lançar com sucesso inovações requer esforços para abordar como uma empresa aborda a aceitação de falhas e novas ideias. É necessário concentrar-se em melhorar a cultura da empresa para que a inovação se encaixe.

Sabendo que existe um problema emergente de pessoas com tecnologia, qual o próximo passo?

As equipes de inovação digital precisam trabalhar para resolver os problemas das pessoas. Elas devem assumir o desafio de ajudar seus negócios a superar as disfunções de inovação que, em última instância, se resumem a problemas de pessoas não resolvidas. Essa é uma nova fronteira para as equipes de inovação e totalmente fora da reserva para os tecnólogos emergentes que querem apenas colocar coisas novas no mercado.

É preciso perguntar: “Qual é a questão das pessoas por trás desse problema tecnológico?” A resposta ajudará a pilotar novas maneiras de pensar para superar as barreiras tecnológicas percebidas com as mudanças nas pessoas. Por exemplo:

  • Quando parece que a maturidade tecnológica é a culpada, identificar o medo no trabalho. É medo do fracasso? Medo de mudança? Medo dos resultados de risco? Criar pilotos que mudem os incentivos para ajudar os funcionários a superar as respostas baseadas no medo.
  • Quando é uma questão de financiamento de tecnologia, ver como a empresa mede o sucesso. Maneiras-piloto para medir o sucesso que são menos táticas e mais orientadas para alcançar a prontidão estratégica futura.

Receba grátis as principais notícias do setor de TI

Newsletter por e-mail