Oi! Escolha uma opção para entrar

Nunca postaremos nas suas redes sociais

Se preferir, entre com seu e-mail

Esqueceu sua senha?
Não tem conta? cadastre-se grátis

Preencha o formulário abaixo para finalizar seu cadastro:


Design Thinking é um nome novo para um método antigo?

Por Redação

em Estratégia

3 meses atrás

Para críticos do mercado, o Desing Thinking é uma estratégia para preservar e defender o status quo

Quando se trata de projetar o pensamento, a flor está fora da rosa. Anunciado como um conjunto de ferramentas para a inovação, o Design Thinking tem sido entusiasticamente e, até certo ponto, adotado sem críticas por empresas e universidades como uma abordagem para o desenvolvimento de soluções inovadoras para problemas complexos. Mas o ceticismo sobre o Design Thinking começou agora a se infiltrar nas páginas de revistas de negócios e publicações educacionais. A observação é de Natasha Iskander, da Harvard Business Review.

As críticas são várias: que o Design Thinking é mal definido, que o caso para seu uso depende mais de anedotas do que dados, que é pouco mais do que o senso comum básico, reembalado e depois comercializado por uma pesada taxa de consultoria. À medida que alguns desses conceitos de Design Thinking mergulharam no mundo da política e os esforços de mudança social foram relançados como inovação social, o mal-estar em torno da abordagem também começou a surgir no campo das políticas públicas.

No entanto, a maioria dos críticos perdeu o principal problema com o Design Thinking: no fundo, é uma estratégia para preservar e defender o status quo – e uma velha estratégia para isso. O Design Thinking privilegia o designer acima das pessoas a quem serve e, ao fazê-lo, limita a participação no processo de design. Ao fazê-lo, limita o escopo de ideias realmente inovadoras e dificulta a resolução de desafios caracterizados por um alto grau de incerteza – como a mudança climática – em que fazer as coisas como sempre fizemos é uma receita certa para o desastre.

Design Thinking, um novo nome para um método antigo

Para entender por que o Design Thinking é fundamentalmente conservador, é importante analisar seus antecedentes. Embora muitas vezes seja anunciado como um método tão inovador quanto as soluções que promete produzir, tem uma estranha semelhança com um modelo anterior de resolução de problemas, celebrado nas décadas de 1970 e 1980 pelas soluções superiores que deveria produzir.

Chamada de abordagem “racional-experimental” para resolução de problemas, foi uma versão simplificada e popularizada do método científico, da mesma forma que o Design Thinking é uma versão estilizada – alguns dizem “simplificada” – dos métodos que os designers usam. Ele também foi entusiasticamente abraçado por gerentes e formuladores de políticas e foi invocado para reformular as práticas nas empresas e no governo.

As semelhanças entre as etapas dos dois métodos são tão literais que o Design Thinking pode ser considerado um knock-off. A resolução de problemas racional-experimental foi construída em torno de uma série de etapas, cada uma levando à identificação de uma solução. Da mesma forma, o Design Thinking é geralmente descrito como sendo composto de modos, trampolins no processo de design, com cada modo refletindo um aspecto diferente do design thinking.

A solução de problemas racionais e experimentais começa com uma suposição de que a busca por uma solução começa por depender de dados existentes sobre o problema. O Design Thinking, em uma pequena divergência em relação ao modelo original, sugere que o designer deve gerar informações sobre o problema, utilizando experiência das pessoas que serão afetadas pelo design por meio da conexão empática que ela cria com elas. Esse modo é chamado de “empatia” no tempo imperativo do “poder fazer” que os pensadores do design defendem.

É aí que as diferenças processuais entre as duas abordagens terminam. O próximo passo em ambas as abordagens, chamado “definição” ou “definir”, é definir o problema ou o desafio do design. Então, ambas as abordagens se movem em direção ao desenvolvimento de uma teoria sobre como resolver o problema ou projetar o desafio.

No pensamento racional-experimental, esse passo é rotulado de fase de “hipótese”, enquanto o pensamento de design chama essa fase de “ideate”. Em seguida, ambos os métodos aconselham experimentar a solução proposta. É chamado de “implementação” na abordagem mais antiga, enquanto a versão mais recente exorta os aderentes ao “protótipo”. (Embora semelhante, este último requer mais notas do Post-It.)

A etapa final em ambos os métodos é avaliar a eficácia do experimento. Tanto na fase de “avaliação” do modelo racional-experimental quanto no modo “teste” do pensamento de design, essa etapa põe em movimento o aspecto iterativo dessas abordagens para a resolução de problemas, com os adeptos sendo encorajados a usar as informações fase para retornar às fases anteriores do processo, a fim de refinar suas hipóteses e suas soluções, ou ambos.

As dimensões políticas do Design Thinking são suficientemente problemáticas por si só, mas o método é particularmente inadequado para problemas em áreas em rápida mudança ou com muita incerteza, uma vez que um design é completo e o espaço que o método abre para ambiguidade e novas alternativas está desligado. A mudança climática é uma dessas áreas. O ambiente natural está mudando a um ritmo assombroso, de maneiras que provavelmente não terão precedentes na história humana, e que somos incapazes de prever completamente, com cada nova descoberta científica revelando que subestimamos muito a complexidade dos sistemas que estão à nossa disposição.


Receba grátis as principais notícias do setor de TI

Newsletter por e-mail