Home > Colunas

Mentoria: novos desafios e melhores entregas

Qual é a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve as palavras mentor e mentorado?

*Ines Rocha

26/08/2019 às 18h55

Foto: Shutterstock

Diga a verdade: qual é a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve as palavras mentor e mentorado? Por acaso não seria a figura de um profissional bem sênior, cabelos grisalhos, longa história profissional, aconselhando um jovem aprendiz, em início de carreira? Se você imagina essa cena, sua percepção não poderia estar mais equivocada.

Assim como os modelos de negócios evoluem cada vez mais rápido, algumas palavras assumem um significado tão rápido e em pouco tempo não encontram-se tão adequadas para uso com a mesma forma e com o mesmo significado.

Pensar que mentoria é um termo apenas utilizado para startups ou empresas recém criadas é o mesmo que pensar que aprender é uma tarefa restrita aos primeiros anos da infância e adolescência. Hoje já compreendemos que o aprendizado é contínuo, pelo tempo que desejar o aluno.

Sim habemus mentoria

Se nos Estados Unidos, há mais de 50 anos, vemos grandes incrementos à prática da mentoria, no Brasil podemos dizer que nos últimos anos, este termo tem ganhado novos adeptos e estudiosos das possibilidades de evolução dos negócios através da aplicação de diversos tipos e formatos de mentoria aplicados ao negócio.

Assim, podemos dizer que a atividade de mentorar é relativamente nova em nosso país. Saber também que já existe uma metodologia disponível a ser aplicada à prática de mentoria de negócios, mostra que não cessará a busca por uma maior credibilidade dos serviços de mentoria oferecidos neste âmbito.

Outro ponto que podemos ressaltar, que valoriza o mercado de atuação do mentor, é a sua capacidade de reciclagem constante com foco em alcançar novos olhares para os negócios. Bem como os mercados nacional e internacional. Somente desta forma o mentor estará apto a atuar como mais um agente que favoreça o processo de amadurecimento de pessoas e empresas.

Se olharmos as empresas pela ótica da velocidade com que precisam evoluir num meio ultracompetitivo e volátil, nos deparamos com empresas pressionadas e muitas vezes até cegas ao trabalhar para atender a tantas demandas ao mesmo tempo, de tantos lados – mercado, investidores, necessidade de receita imediata e outros. Muitas vezes a velocidade a empreender dificulta o entendimento do business como um todo, colocando em risco algo tão precioso quanto o futuro da organização.

Até que ponto essa dificuldade de enxergar o negócio como um todo pode influenciar no fato do gestor perceber a necessidade de um trabalho de mentoria? Entendendo que a mentoria atua num recorte, numa solução focada, o mentorado tem a opção de melhorar a construção e ligação dos pontos que compõem o negócio. O mentorado favorece a ação da mentoria, apresentando uma postura aberta para novos olhares, que valorize e esteja interessado não só no desenvolvimento técnico-profissional, mas também na capacidade de avançar do negócio.

Via de mão dupla

Quando tratamos o serviço de mentoria, oferecido por um mentor capacitado para tal, consideramos que este esteja presente e preparado para construir, em conjunto com seu mentorado, um curso de solução que signifique um passo adiante da organização/negócio.

Esta é uma construção de troca. Embora o mentor esteja presente, colocando seu conhecimento e energia a serviço do negócio, esta construção conjunta também lhe proporciona um ganho de conhecimento de uma trilha singular que somente aquele mentorado percorrerá. As soluções encontradas são particulares daquele conjunto – produto, mercado, histórico do negócio, características do investimento, pessoas envolvidas e outros fatores inerentes ao ambiente em que acontece o negócio.

Neste momento, vale ressaltar o valor intrínseco das relações de negócio, já montando o quebra-cabeças que estamos delineando nas abordagens acima.

Citamos a velocidade em que os negócios se transformam, mercado que exige uma evolução constante, demandas de clientes a serem compreendidas, equipes se renovando na busca do conhecimento e do aprimoramento, muita troca e o papel do processo de mentoria nesse cenário.

Desta forma, fica fácil compreender a mentoria como um processo simultâneo e bilateral de transferência de conhecimento e aprendizado. Uma verdadeira via de mão dupla.

Respondendo assim os questionamentos iniciais deste artigo - A dinâmica de troca vai muito além dos tempos reais – do mentor e do mentorado. Tem à ver com cumplicidade e confiança. Diz respeito à capacidade de ambos em perceber a “janela de trabalho” e desejar dar o passo adiante, realizando melhores negócios e preenchendo espaços neste tão propalado mercado também competitivo e voraz.

Para encerrar, citamos o escritor Cesar Silva (mentor ABMEN) colocando mais um tijolinho nesta construção:

- “Floresça onde você foi plantado! Fomos plantados neste planeta, pertencemos a uma comunidade mundial”.

Isso só aumenta a responsabilidade de fazermos as nossas melhores entregas.

*Por Ines Rocha, mentora de Negócios da ABMEN.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail