Home > Notícias

Mercado de trabalho tem baixa confiança; o que recrutadores observam

De acordo com ICRH, o cenário atual do mercado de trabalho é de baixa confiança para empregados, desempregados e recrutadores.

Wellington Arruda

11/09/2019 às 17h43

Entre 2015 e 2016, estima-se que as fraudes nos pedidos de seguro-desemprego tenham desviado quase R$ 2 bilhões dos cofres públicos
Foto: Shutterstock

O momento atual é de baixa confiança para o mercado de trabalho, como indicado por desempregados, empregados e recrutadores na 9ª edição do Índice de Confiança Robert Half (ICRH).

O levantamento mede de 0 a 100 pontos a avaliação desses profissionais. Sobre o cenário atual, estes registraram média de 30,2 pontos.

Por outro lado, o ICRH registra índice positivo de 51,9 pontos, nesta edição, quando consideramos os próximos seis meses. Em outubro de 2018, a projeção era de 55,3 pontos.

O grupo de recrutadores, desde julho de 2018, não perdeu a confiança na retomada do cenário positivo no mercado de trabalho. Já o de profissionais qualificados, empregados e desempregados, apresentou oscilações durante o período.

Esta é a comparação da edição anterior, em relação a atual, sobre o cenário atual:

  • Empregado: 35,8 pontos em outubro/2018 contra 33,4 pontos em setembro/2019;
  • Desempregado: 22,2 pontos em outubro/2018 contra 20,4 pontos em setembro/2019;
  • Recrutador: 37,5 pontos em outubro/2018 contra 36,7 pontos em setembro/2019.

O perfil recrutador relaciona "todos os profissionais que têm algum poder de decisão sobre o preenchimento de uma vaga dentro da organização", explica Fernando Mantovani, diretor geral da Robert Half no Brasil.

Partindo dos recrutadores, o índice "aponta para um cenário positivo no mercado de trabalho ainda que a passos lentos", diz Mantovani.

Esta é a comparação da edição anterior, em relação a atual, sobre as expectativas dos três perfis:

  • Empregado: 52,5 pontos em outubro/2018 contra 50,1 pontos em setembro/2019;
  • Desempregado: 53,3 pontos em outubro/2018 contra 50,5 pontos em setembro/2019;
  • Recrutador: 55 pontos em outubro/2018 contra 55 pontos em setembro/2019.

Taxa de desemprego

O ICRH aponta que a taxa de desemprego entre profissionais qualificados é inferior à média geral. No segundo trimestre de 2019, o índice caiu para 5,5%, contra 6,1% registrados no primeiro trimestre.

Comparando com a população geral, os índices de desemprego são de 12,7% no primeiro trimestre contra 12% no segundo.

Os profissionais qualificados são classificados como aqueles com idade igual ou superior a 25 anos e formação superior completa.

Os mais satisfeitos

De acordo com o índice, 90% dos profissionais de projetos, em cargos de analista a diretor, avaliam a oportunidade como positiva para o currículo. Na edição anterior, a taxa era de 86%.

Esse modelo de trabalho propicia experiência, networking, contato com ferramentas novas, flexibilidade e oportunidade de efetivação.

No ponto de vista das empresas, os benefícios estão ligados à mão de obra qualificada, preenchimento rápido de posição-chave, redução de custos, mais eficiência, agilidade nas atividades, entre outros.

Mantovani explica que o IRH Projetos "reflete a opinião de profissionais especializados que trabalham por projetos e de empresários que contratam nesta modalidade."

O que recrutadores mais observam

O ICRH também relata a dificuldade dos recrutadores para contratar profissionais qualificados; 46% deles avaliam a tarefa como difícil e 13% como muito difícil.

No índice, também são relacionadas as habilidades mais observadas pelos recrutadores durante uma entrevista com um candidato. São elas:

  • Trabalho em equipe/relacionamento interpessoal (50%);
  • Experiência (48%);
  • Proatividade (40%);
  • Olhar estratégico e boa comunicação (32% ambos);
  • Postura de dono (28%);
  • Flexibilidade (22%);
  • Habilidade de negociação (19%);
  • Perfil empreendedor (13%);
  • Estabilidade (7%);
  • Inglês (6%);
  • Outros (2%).

Para os candidatos, em um processo seletivo, o que mais chama a atenção é a possibilidade de crescimento (36%), o pacote de benefícios (19%) e os valores e o propósito da empresa (14%). Isto, claro, além do salário.

Ainda segundo os desempregados que responderam à sondagem da ICRH, faltam oportunidades por causa do momento econômico (74%).

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail