Oi! Escolha uma opção para entrar

Nunca postaremos nas suas redes sociais

Se preferir, entre com seu e-mail

Esqueceu sua senha?
Não tem conta? cadastre-se grátis

Preencha o formulário abaixo para finalizar seu cadastro:

Assespro defende manutenção da política de desoneração da folha em TIC

Por Redação

em Cenário

3 meses atrás

O presidente da Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologias da Informação (Assespro Nacional) participou da Audiência Pública da Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisa o PL 8456/17 (Reoneração da Folha) realizada recentemente para debater os impactos da proposta de reoneração no setor de serviços.

A Assespro Nacional defende a manutenção da política da contribuição previdenciária patronal com base no faturamento para as empresas do setor de TICs nos moldes atuais: optativa, com alíquota de 4,5%. Assim, critica propostas de tonar a política obrigatória ou aplicar a tributação sobre os 20% folha para as atividades de exportação ou dos centros de pesquisa.

A justificativa da instituição é que o setor de TICs atendeu às expectativas do Governo Federal quando da instituição da política em 2011, apresentando, entre 2010 a 2015, aumento nas contrações, com 95 mil novos postos de trabalho, faturamento positivo das empresas da área (maior que 12% a.a.) e aumento nos salários dos trabalhares do setor (14,3% a.a.), contribuindo ainda com um aumento da arrecadação do governo na ordem de R$ 4 bilhões no período de 2012 a 2016.

Desemprego e menor arrecadação

Dados do setor apontam que, caso a área de TI não faça mais parte da política da desoneração atual, deverá haver redução de até 83 mil postos de empregos e que a arrecadação do governo pode cair em até R$ 1 bilhão; além disso, a oneração irá afetar negativamente as exportações do setor – que tem crescido significativamente nos últimos anos – saltando de US$ 523 milhões em 2011 para US$ 2,355 bilhões em 2017.

A Assespro Nacional argumenta que não se pode limitar o crescimento das empresas nacionais e a entrada de divisas no país elevando a tributação das exportações ou ainda penalizar as pequenas e médias empresas ou aquelas cujo modelo de negócio é menos intensivo em mão de obra.

A entidade destaca ainda que estudo do Fórum Econômico Mundial aponta para o fraco apoio do governo para o desenvolvimento do setor de TICs no Brasil, bem como o baixo resultado econômico e social das soluções digitais disponíveis. Assim, afirma que o Brasil deve seguir o exemplo da Coréia do Sul, investindo em educação e tecnologia para fazer a migração para a sociedade baseada em conhecimento.

Por fim, o presidente da Assespro Nacional, Jeovani Salomão, destaca que “se o momento é de escolhas, o Brasil deve escolher a tecnologia da informação” e adotar uma política estruturante de longo prazo.


Receba grátis as principais notícias do setor de TI

Notícias por push

Ativar

Notícias marcadas

Personalize sua home

Ative ou desative as categorias abaixo:

  • Carreira
  • Digital
  • Gestão
  • Mercado
  • Segurança
  • Startups
  • Tech
  • TI de Negócios