Oi! Escolha uma opção para entrar

Nunca postaremos nas suas redes sociais

Se preferir, entre com seu e-mail

Esqueceu sua senha?
Não tem conta? cadastre-se grátis

Preencha o formulário abaixo para finalizar seu cadastro:


Ninguém está medindo dinheiro gerado pela economia compartilhada, diz Airbnb

Por Redação

em Mercado

3 anos atrás

Você é um associado do Airbnb? Um vendedor do eBay? Ou motorista do Uber? Cada vez mais, a resposta para essas perguntas será “sim”. Um reflexo direto da economia compartilhada de serviços, que está apenas em seus estágios iniciais e tem tudo para ganhar espaço no mercado.

Para provar isso, o Airbnb lançou relatório intitulado Sharing Economy UK que mostra exatamente o que o mercado está perdendo ao não medir esse tipo de trabalho como parte da economia.

O alerta nesse caso é para o governo do Reino Unido, mas se aplica em todos os lugares que abraçaram serviços compartilhados, que estão mudando a forma como o mundo faz negócios, e que ainda não incluíram trabalhos do tipo nas estatísticas econômicas. Naturalmente, isso não é tarefa fácil.

Diane Coyle, economista autora do relatório do Airbnb, destacou ao portal The Next Web outro desafio para os formuladores de políticas, tendo em conta o crescimento da economia compartilhada. “Queremos que o governo incentive o crescimento e não fique no caminho – mas com muitas pessoas que trabalham em formas não-convencionais, precisamos entender o que fazemos sobre formalidades como pensões, auxílio-doença e impostos”, afirmou.

O sistema, segundo ela, é voltado para pessoas que fazem o trabalho por meio de postos de trabalho oficiais e empresas convencionais, mas como há mais pessoas que trabalham de forma flexível, o governo agora terá de pensar em como ajustar as estruturas da economia.

Grande parte do debate sobre a economia compartilhada até agora tem-se centrado em como garantir que indivíduos ou empresas atuem em linha com as regras relevantes de negócios. Contudo, considerando que um país saudável é um país mais produtivo, garantir que as pessoas possam tirar licença médica e ter dinheiro na terceira idade é, sem dúvida, uma tarefa importante também, lembra a economista.

Diane aponta alguns benefícios da economia compartilhada que não são medidos no momento em qualquer lugar do mundo, como aumento do poder de escolha e menor custo de produtos.O Produto Interno Bruto (PIB) é a medida global amplamente aceita do valor de todas as coisas compradas e vendidas em um país durante um determinado tempo, mas também é amplamente considerado como um sistema repleto de falhas. A economia compartilhada inicia agora o debate sobre um novo sistema. 


Receba grátis as principais notícias do setor de TI

Newsletter por e-mail