Home > Notícias

Quarta Revolução Industrial deve levar em consideração direitos humanos

Tecnologia também tem lado negativo, alerta o Fórum Econômico Mundial. Saiba como driblar cenário

Redação

12/11/2018 às 10h02

Foto:

A Quarta Revolução Industrial está transformando a sociedade e remodelando o futuro. Mas, ainda que as tecnologias ofereçam oportunidades extraordinárias, também representam uma série de desafios, como os impactos na força de trabalho com avanços em inteligência artificial, e tensões na privacidade e liberdade de expressão, o que limita a tecnologia genética e aumenta a disparidade econômica e social entre os proprietários de capital.

Como resultado, há uma necessidade de articulação mais clara de estruturas éticas, padrões normativos e modelos de governança baseados em valores para ajudar a orientar as organizações no desenvolvimento e uso dessas ferramentas e possibilitar uma abordagem centrada no desenvolvimento humano que vai além das fronteiras geográficas e políticas. O alerta é de Hilary Sutcliffe, do Fórum Econômico Mundial - World Economic Forum.

O relatório de 2016 do Conselho de Valores da Agenda Global do Fórum Econômico Mundial e da Quarta Revolução Industrial: Conectando os Pontos entre Valores, Lucro e Propósito, articula três valores universais: dignidade humana, bem comum e mordomia. Em seu trabalho de 2014 sobre a criação de um pacto social, o Conselho incluiu a necessidade de “acordo sobre valores universais básicos e ética; consenso sobre a necessidade de refletir esses valores na legislação e regulamentação de um país e nos acordos econômicos internacionais”.

Os direitos humanos são a “ponta dura” dos valores e os quadros internacionais de direitos humanos fornecem uma base substantiva para abordar estas questões.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), adotada em 1948 e assinada por 192 países, abrange um conjunto universal de princípios que podem ser aplicados em diferentes culturas.

A DUDH foi adotada pelas Nações Unidas em uma época em que o mundo se recuperava da descoberta do horror do Holocausto, e havia um desejo global de criar um futuro mais promissor para a humanidade. Foi concebido, em primeiro lugar, como uma expressão de valores globais, como observado por Hernán Santa Cruz, do Chile, membro do subcomitê de redação:

“Percebi claramente que estava participando de um evento histórico verdadeiramente significativo, no qual havia alcançado um consenso quanto ao valor supremo da pessoa humana, um valor que não se originou na decisão de um poder mundano, mas sim no fato de que de existir.”

Igualdade e justiça

A DUDH estabeleceu padrões universais que apoiaram, até hoje, os esforços de estados e outros países para desenvolver leis e políticas relacionadas a uma série de questões, da justiça criminal ao meio ambiente, do desenvolvimento global ao comércio, da segurança à migração.

A DUDH e a série de tratados legalmente vinculantes que elaboraram suas provisões fornecem uma base essencial para organizações privadas e internacionais e estados promoverem igualdade e justiça em uma agenda de inovação centrada em pessoas e no planeta, impulsionada por tecnologias novas e aprimoradas.

Embora esses padrões globais de direitos tenham sido adotados pelos estados para reger a conduta oficial, cada vez mais eles estão sendo aplicados ao setor privado. Por exemplo, empresas globais que buscam abordar questões de direitos trabalhistas em suas cadeias de fornecimento globais, ou empresas de informação e comunicação que lutam com questões de privacidade e liberdade de expressão, estão sendo chamadas para abordar essas preocupações usando uma estrutura de direitos.

Da mesma forma, embora a tecnologia de edição genética seja surpreendentemente nova e empolgante, os padrões de direitos humanos podem nos ajudar a abordar as escolhas de governança que enfrentamos à medida que equilibramos esforços para aliviar o sofrimento humano e os riscos e incertezas inerentes à aplicação de novas ferramentas científicas.

A Quarta Revolução Industrial precisa se basear em uma discussão de questões mais amplas sobre as sociedades em que desejamos viver. Hoje, as possibilidades de empoderamento humano trazidas pela tecnologia são imensas, mas devemos continuar a nos concentrar no impacto das tecnologias nas pessoas, em sua vida cotidiana e no gozo dos direitos humanos.

Isso não é mais exclusivamente do domínio de estados e organizações internacionais. O setor privado deve assumir um papel de liderança. Como ponto de partida, as organizações privadas e suas partes interessadas devem rever seus valores em relação à Declaração Universal dos Direitos Humanos e aos padrões relacionados aos direitos humanos e desenvolver mecanismos com base nos quais possam medir e avaliar sua conduta.

Fonte: Hilary Sutcliffe – World Economic Forum

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail