Oi! Escolha uma opção para entrar

Nunca postaremos nas suas redes sociais

Se preferir, entre com seu e-mail

Esqueceu sua senha?
Não tem conta? cadastre-se grátis

Preencha o formulário abaixo para finalizar seu cadastro:

Intel e Mobileye apresentam fórmula para testar segurança de veículos autônomos

Por Burson-Marsteller, Guilherme Izidio

em Carros autônomos

4 meses atrás

O professor Amnon Shashua, CEO da Mobileye e vice-presidente sênior da Intel, apresentou para a indústria uma maneira de testar a segurança dos veículos autônomos. A solução foi publicada em um artigo acadêmico e apresentada no Fórum Mundial do Conhecimento em Seul, na Coreia do Sul, para garantir que um veículo autônomo funcione de maneira responsável e não cause acidentes pelos quais possa ser responsabilizado.

À frente da Mobileye, uma empresa da Intel e fornecedora mundial de câmeras para sistemas avançados de assistência ao condutor (ou ADAS, do inglês Advanced Driver Assistance Systems), Shashua e seu colega Shai Shalev-Shwartz desenvolveram uma fórmula matemática que pode trazer certezas para questões envolvendo responsabilidade em casos de acidente em que há envolvimento de um veículo sem motorista.

O modelo proposto de Segurança Sensível à Responsabilidade (Responsibility Sensitive Safety – RSS, em inglês) fornece parâmetros específicos e mensuráveis para conceitos humanos de responsabilidade e advertência além de definir um “Estado Seguro”, sob o qual o veículo autônomo não pode ser o responsável pelo acidente, não importando a ação tomada por outros automóveis.

Em sua palestra, Shashua convocou a indústria e os responsáveis pela definição de políticas para “desenvolver de forma colaborativa padrões que atribuam definitivamente a responsabilidade por um acidente”, quando houver uma colisão inevitável entre veículos autônomos e conduzidos por humanos. Ele explicou que todas as normas e regulamentos atuais estão enquadrados em torno da ideia de um motorista no controle do carro e que novos parâmetros são necessários para veículos autônomos.

“A capacidade de atribuir responsabilidade é fundamental. Assim como acontece com os melhores pilotos do mundo, os carros sem motoristas não poderão evitar acidentes provocados por ações alheias ao seu controle. No entanto, é muito pouco provável que o piloto mais responsável, mais consciente e mais cauteloso seja o causador de um acidente, particularmente, se tiver uma visão de 360 graus e reações na velocidade da luz, como será o caso dos veículos autônomos”, explica Shashua.

O modelo RSS formaliza isso de forma a garantir que os carros autônomos vão transitar apenas dentro de um estado definido como “seguro”, de acordo com definições claras de responsabilidade que serão acordadas entre toda a indústria e órgãos reguladores.

“Reguladores e formuladores de políticas em todo o mundo estão buscando uma forma de gerenciar a implantação da condução automatizada sem inibir a inovação, então ter um método comum de avaliar a eficácia da tecnologia parece ser um bom ponto de partida. O modelo Segurança Sensível à Responsabilidade proposto pela Mobileye parece ser viável para iniciar essa conversa. Pelo menos como método de avaliação, não restringe a tecnologias específicas e também proporciona uma boa estrutura para o processo de tomada de decisões dentro dos sistemas de controle”, comenta Sam Abuelsamid, analista sênior de pesquisa e colaborador do programa de transporte da Navigant Research.


Receba grátis as principais notícias do setor de TI

Notícias por push

Ativar

Notícias marcadas

Personalize sua home

Ative ou desative as categorias abaixo:

  • Carreira
  • Digital
  • Gestão
  • Mercado
  • Segurança
  • Startups
  • Tech
  • TI de Negócios