Oi! Escolha uma opção para entrar

Nunca postaremos nas suas redes sociais

Se preferir, entre com seu e-mail

Esqueceu sua senha?
Não tem conta? cadastre-se grátis

Preencha o formulário abaixo para finalizar seu cadastro:

Cenibra moderniza processos com automação e mobilidade

Por

em TI de Negócios

1 semana atrás

Projeto atualiza administração do almoxarifado, acaba com papelada e aumenta produtividade

Fundada em 1973, com atuação em 54 municípios e 7 mil colaboradores, a Cenibra é uma das maiores produtoras nacionais de celulose branqueada de fibra de eucalipto. Em seu negócio, materiais, peças e equipamentos de manutenção são vitais para a disponibilidade e a confiabilidade.

Com base nesse cenário, a companhia decidiu fazer uma revisão completa dos seus processos de administração de almoxarifado. O objetivo era reduzir tempos e movimentos em sua logística interna e, assim, cumprir suas metas de produtividade.

Em um primeiro momento, explica Ricardo Santos, analista de TI da Cenibra e gerente do projeto, a ideia era automatizar o almoxarifado central da companhia. Até então, os processos da área, como recebimento, inspeção de materiais, movimentação, inventário e expedição eram executados de forma manual.

Todo o controle era realizado em papel e depois passado para o sistema de gestão empresarial, um processo moroso que poderia resultar em erros. Por ano, o departamento gerava 35 mil registros em papel. Além disso, não havia indicadores e registros de quanto, quando e quem efetuou uma estocagem.

“Fomos ao mercado em busca de uma tecnologia e identificamos que o QR Code seria a melhor solução. Assim, encontramos a solução Sigga Rafalle, aplicativo que realiza a gestão de almoxarifado”, explica Santos.

O projeto de automatização e mobilidade dos almoxarifados da Cenibra consumiu dez meses e foi inicialmente implemento no almoxarifado central, mas há previsão de expansão para os regionais, adiantou o executivo.

Mudança de patamar

Geraldo Ferreira, especialista em almoxarifado da Cenibra e usuário-chave do projeto, conta que, hoje, o processo de recebimento e de inspeção é automático. Equipados com tablets e coletores de dados, 25 colaboradores utilizam o aplicativo em suas rotinas diárias, identificando materiais e peças etiquetadas com códigos bidimensionais do tipo QR Code.

“O inspetor precisa apenas abrir a demanda diária em seu dispositivo e iniciar o trabalho. Ele analisa os critérios técnicos das mercadorias e as libera”, explica. Antes, o profissional tinha de escrever seu parecer manualmente no formulário, ir até sua mesa, digitar a tomada de decisão e processar a demanda.

Na visão de Ferreira, um fator fundamental no projeto foi o rompimento da barreira cultural. “Todos os usuários foram envolvidos no processo. Da concepção ao treinamento. Foi crucial trazer todos para o projeto”, comenta, reforçando que esse foi um dos fatores de sucesso da iniciativa. Concorda com ele Santos. “O desafio foi tirar o usuário da zona de conforto e implementar algo novo.”

Resultados

Entre os principais resultados obtidos após a implementação do projeto, Ferreira destaca economia de custos e horas extras de mão de obra, redução de 20% no tempo de inspeções técnicas, registros de não conformidade e devoluções, eliminação de 50% no tempo inventário e armazenagem, eliminação de 90% dos processos burocráticos (separação, impressão de etiquetas e baixa de documentos), além de mais de 35 mil folhas de papel salvas por ano.

Agora, com dispositivos móveis, o colaborador não precisa se deslocar até uma estação de trabalho para tratar reservas ou consultar os materiais em estoque. “Registramos melhorias significativas de produtividade”, reforça Ferreira.

Coinovação

Santos conta que o projeto gerou alguns trabalhos de coinovação com a Sigga. “A Sigga tem um produto para inventário, que atendia ao módulo de gestão de materiais SAP, controle do estoque até o nível de depósito. Contudo, a solução não estava pronta para suprir o Warehouse Management (WM). Então, em parceria com a Sigga, desenvolvemos o módulo WM”, detalha ele, completando que agora essa parte da tecnologia está disponível para qualquer empresa do mercado.

Segundo ele, o recurso na ferramenta de inspeção de materiais também não existia, mas foi desenvolvido e incorporado. “Precisávamos dessa funcionalidade, pois o material quando chega até o almoxarifado não está disponível em um primeiro momento para uso. Ele vai para a inspeção e se estiver em conformidade é liberado para o uso ou para o estoque. Esse processo de inspeção não existia e também foi criado”, conta.

Ferreira comenta que o fato de a Sigga dar abertura para melhtorias no produto foi um ponto positivo no projeto. “Isso cria uma coautoria grande na solução. Uma verdadeira interação.”


Receba grátis as principais notícias do setor de TI

Notícias por push

Ativar

Notícias marcadas

Personalize sua home

Ative ou desative as categorias abaixo:

  • Carreira
  • Digital
  • Gestão
  • Mercado
  • Segurança
  • Startups
  • Tech
  • TI de Negócios