Oi! Escolha uma opção para entrar

Nunca postaremos nas suas redes sociais

Se preferir, entre com seu e-mail

Esqueceu sua senha?
Não tem conta? cadastre-se grátis

Preencha o formulário abaixo para finalizar seu cadastro:

WeWork: mais do que coworking, um espaço que engajamento

Por

em RH

3 meses atrás

Cofundador da empresa falou no SXSW sobre a importância de manter a cultura nas empresas

Quando começou o WeWork, espaço de coworking com mais de 150 unidades em 60 países, Miguel Mckelvey, cofundador e Chief Culture Officer da empresa, fazia um pouco de tudo – assim como acontece na maioria das startups. Logo a empresa cresceu e ele passou a questionar seu papel no negócio.

Ele entendeu, então, que sua missão dali para frente seria a de compreender o que mantinha as pessoas engajadas no trabalho. A resposta parece simples em empresas tradicionais, mas no caso da WeWork a conclusão é mais complexa. Afinal, a companhia abriga funcionários de outras companhias, o que naturalmente gera um mix de culturas.

Logo, ele identificou que muitos elementos faziam os profissionais satisfeitos no trabalho. “Elas querem estar em lugares alegres, de engajamento. Mais do que isso: querem estar em um lugar de amor. Amor é uma palavra forte e não costumamos falar sobre no trabalho e isso me deixava nervoso, mas ao mesmo tempo animado”, comentou ele durante o SXSW, que acontece até 17 de março em Austin, EUA.

Segundo salientou o executivo, manter uma cultura positiva é o ingrediente secreto por trás de uma empresa próspera com funcionários felizes, motivados e comprometidos. Ele desempenha papel importante na atração dos melhores talentos e é o principal motor de excelência em produtos ou serviços.

No entanto, ter uma cultura forte exige um esforço significativo de todos os envolvidos; não é tão fácil quanto ter sofás coloridos e áreas para games. “Nossa companhia cresce e nunca seremos os mesmos amanhã. Para sermos melhores, temos de ser específicos na forma que endereçamos a cultura.”

Para endossar seu ponto de vista, Sarah Lewis, professora de História da Arte e Arquitetura de Harvard, nos Estados Unidos, juntou-se ao executivo e relatou que a cultura é a condição para as pessoas, de fato, criarem energia e é por isso que ela deve ser considerada ouro.


Receba grátis as principais notícias do setor de TI

Newsletter por e-mail